13/03/2018

Jogos Cariocas de Verão 2018

   Pensou que não iria ter fothênhas?? Pensou errado, ser reluzente.... Dedicamos a vocês os clicks da nossa estilosa fotógrafa e design Jam Barrientos. Tudo sem edição mesmo, pq edição dá um trabalho da pourran, e a gente tem vários lances pra fazer ainda. Dá uma olha no álbum, e só curte, pq tá maneiro! 

Click by @Jambarrientos


Quer ver o álbum? Então CLICA AQUI E VEJA AS FOTOS DOS JOGOS CARIOCAS




06/03/2018

Prazer, somos Vakas.

Garotinha e seu skate. Click by Thalita Pinheiro


Parece ironia do destino, mas quando o Vaka foi criado nunca pensamos em como estávamos quebrando alguns tabus. Primeiro porque o batismo do Vaka se deu por causa de um boi miniatura de plástico, queencontramosencontraram no chão durante uma sesh de skate. Aquilo era um “sinal” para fazermos algo e nos batizamos de Vakas, só pela zoeira. A partir dessa brincadeira achamos interessante criar um blog para contar sobre nossas aventuras de skate, e acabou que o blog passou a ter uma influência relevante sobre as outras pessoas que andavam de skate. E tudo começou numa brincadeira.
Analisando mais de perto tudo isso, e trazendo até para os dias atuais, o Vaka foi vanguardista em um tempo onde revistas de skate publicavam fotos de mulheres sensuais. Um “Vaka” que poderia ser um xingamento, acabou se tornando uma característica de amizade, brincadeiras, união, entre outros. Ser chamada de Vaka ou do Vaka nas sesh era tranquilo, pois colocamos ali  de certa forma, um respeito não só pelo nome, mas pelo que somos. Todas as meninas que curtissem aquela essência, eram vakas. Sem medo, sem preconceito. E em nenhum momento até hoje, ouvimos esse nome dito de forma desrespeitosa.
O trabalho do Vaka sempre foi de dar espaço a tudo que interessasse o skate feminino, e com total liberdade. Até hoje trabalhamos com essa liberdade de falarmos sobre o que quisermos. E sim, o Vaka tem um posicionamento feminista, ou seja, de apoio às mulheres. Mas é tanta zoeira, que muita gente nem se liga nas mensagens mais “ocultas” que o blog carrega.
Por trás do palco, tem um monte de meninas fazendo o show acontecer, botando pra frente as ideias mais mirabolantes, juntando o povo, chamando pra folia (rs).
E com esse espírito, já está confirmado que neste ano o projeto “Mulheres skatistas: a arte além das manobras” irá continuar,  e pelo menos uma edição do nosso Jornal The Vaka Skateboard Times existirá, além de outras ideias ainda maturando para serem jogadas ao mundo assim que possível. 
Apoie o skate feminino e tudo que ele produz, dentro e fora da sesh!